14/3/2017 10:08:55 -  Balanço USCAP 2017

Atualmente o desenvolvimento das drogas denominadas alvo-moleculares transformou o tratamento de neoplasias trazendo resultados mais eficazes, duradouros e com menores efeitos colaterais.

A descoberta das alterações moleculares que levam ao desenvolvimento e progressão dos diversos tipos de câncer mostrou que existem diferentes tipos de tumores em um mesmo órgão e muitas similaridades entre tumores de diferentes orgãos.

Alterações de expressão de genes podem ser similares entre tumores de pulmão, cabeça e pescoço e em melanomas cutâneos, por exemplo. Esse conhecimento levou ao desenvolvimento de drogas-alvo específicas para esses eventos moleculares que podem ser comuns a diversos tipos de tumores.

Um desses exemplos são os novos anticorpos que restauram a capacidade do sistema imune em reconhecer células tumorais e promover uma reação de combate as mesmas.

São muitas as drogas já no mercado com essa capacidade e outras em fase avançada de estudo clínico demonstrando grande atividade no controle de neoplasias.

Um das peculiaridades desses novos tratamentos é que são efetivos em tumores que apresentam alterações nessas vias moleculares específicas, que devem ser reconhecidas antes de se iniciar o tratamento para evitar possíveis efeitos colaterais e gastos financeiros desnecessários naqueles indivíduos que não se beneficiriam dessa droga.

Para se ter uma idéia do custo financeiro, considerando que a Organização Mundial da Saúde estima a ocorrência de aproximadamente 1,8 milhões de casos de câncer de pulmão anualmente sendo grande parte deles já em estado avançado com necessidade de tratamento sistêmico, o custo para o tratamento de todos os pacientes desse tipo específico de câncer seria de mais de 140 milhões de euros. 

Esse novo fenômeno trouxe um novo papel ao patologista cirúrgico. Esse especialista que tem como função reconhecer e classificar os tumores fornecendo informações fundamentais para a tomada de conduta no tratamento oncológico, agora tem um papel ainda mais relevante na identificação de pacientes que podem ser tratados com essas novas drogas.

Esse processo mostra a mudança no comportamento de instituições que se dedicam ao tratamento do câncer que têm valorizado ainda mais o papel do patologista que entra como um protagonista nos grupos interdisciplinares garantindo que o melhor esquema de tratamento seja oferecido para os pacientes individualmente.

Essa realidade pode ser observada nos congressos acadêmicos onde há um grande espaço ocupado para a discussão da metodologia e avaliação desses novos marcadores. Recentemente, durante o 106º congresso da academia americana e canadense de patologia (USCAP) realizado em San Antonio, TX, uma grande proporção dos trabalhos apresentados se dedicou ao tema. Com a presença de mais de 5000 patologistas de 87 diferentes países o Brasil teve grande participação mostrando o interesse da especialidade pelos novos caminhos da oncologia, reconhecendo o seu papel dentro desse processo.

Estamos vivendo uma era de transformação no tratamento do câncer onde os pacientes são cada vez mais individualizados para que sejam tratados da maneira mais eficiente e menos agressiva por um grupo de especialistas que deve trabalhar de modo harmonioso para que o resultado seja o sucesso.

Dra. Katia R M Leite
Vice-presidente para Assuntos Acadêmicos da SBP


Sociedade Brasileira de Patologia
Rua Topázio, 980 - Vila Mariana
São Paulo – SP
CEP: 04105-060
Fone: (11) 5080-5298