Siga-nos nas redes sociais:

Patologista, colecionador de tecido humano

Por Dra. Mônica Pombeiro (CRM 23526)

Poucas pessoas sabem a importância do trabalho de um patologista dentro da área médica. O patologista é um profissional médico, ou seja, é graduado em Medicina e pós-graduado em Anatomia Patológica.

Normalmente ele não tem contato com o paciente, contudo há um relacionamento estreito com o médico cirurgião ou clínico que assiste, sendo o profissional que vai dar todas as informações necessárias e impressões clínicas, que, associadas ao que o patologista vai identificar nas lâminas, com o material processado do paciente, o fará chegar a uma conclusão diagnóstica.

Apesar de trabalhar sem contato direto com o paciente, como fazem as demais especialidades, para este profissional as informações clínicas são valiosas e fazem toda a diferença na hora da conclusão diagnóstica. A patologia não é uma especialidade isolada. Juntamente com a clínica e a radiologia, o patologista tenta chegar a um diagnóstico final, o que nem sempre é uma tarefa fácil, devido a diversidade tecidual e celular do organismo humano e até mesmo devido a múltiplas apresentações de uma mesma patologia, tornando, em alguns casos, o diagnóstico para o patologista sem informação clínica, praticamente impossível.

O tratamento médico depende de um diagnóstico preciso, pois sem diagnóstico não há tratamento e sem tratamento não há possibilidade de cura. Por isso, o trabalho deste profissional é importante em todos os casos de enfermidades que requerem um tratamento cirúrgico e uma biópsia. A importância desta especialidade vem crescendo com o tempo e atualmente, em lugares a medicina tem um bom padrão, nada é retirado cirurgicamente de um paciente sem a devida análise tecidual, que permite confirmação da hipótese clínica, ou seja, associação com os sintomas apresentados.

No mês de maio de 2009, foi veiculado na mídia, um acervo de blocos de parafinas e lâminas em São Paulo com mais de 40 anos, pertencente ao conhecido patologista, Dr. Matosinho França, com o qual tive o prazer de trabalhar junto na cidade de São Paulo. “Colecionador de tecido humano”, dizia a matéria na revista Época. Pois é o que somos, na verdade, “colecionadores de tecidos humanos”.

Diretora Técnica do laboratório Capacity Caxias do Sul
Fone 54 3221-8111



Autor
Equipe SBP
Publicado em
2016/07/19
Compartilhe!
Voltar para o blog

assinar a newsletter