Siga-nos nas redes sociais:

Dia de Combate e Prevenção a Hanseníase

Sociedade Brasileira de Patologia orienta população sobre a doença e alerta para o diagnóstico precoce

Próximo ao Dia de Combate e Prevenção a Hanseníase, celebrado em 26 de janeiro, a Sociedade Brasileira de Patologia (SBP) orienta a população sobre a doença infecto contagiosa, transmitida por meio das vias respiratórias e alerta para a importância do diagnóstico precoce. Segundo dados do Ministério da Saúde, 30 mil pessoas foram atingidas pela doença apenas em 2012.

O bacilo de Hansen, causador da doença, é um parasita intracelular que apresenta afinidade por células cutâneas (pele) e por células dos nervos periféricos. “O papel do patologista no diagnóstico é ler as biópsias de pele suspeitas de hanseníase e pelas características morfológicas. Esta biópsia precisa ser meio profunda para avaliar o comprometimento dos pequenos filetes nervosos da derme profunda e também para pesquisa da bactéria. Eventualmente, a hanseníase pode comprometer apenas nervos periféricos sem lesões na pele e no caso é necessária a biópsia do nervo para a confirmação do diagnóstico”, explica a dermatopatologista Milvia Enokihara, membro da SBP e da Escola Paulista de Medicina (UNIFESP).

A descoberta rápida da doença é muito importante para o tratamento. “O diagnóstico precoce é muito importante porque as reações inflamatórias de cada pessoa à bactéria são diferentes. Algumas conseguem destruir a bactéria, mas acabam destruindo a estrutura onde ela está. Com isso a pessoa perde a sensibilidade dolorosa, térmica, táctil e as consequências dependem da gravidade, da extensão do acometimento da pele e nervos e se são irreversíveis ou não. Quanto antes for feito o diagnóstico menos alterações neurais graves ocorrem e isto é melhor para o paciente”, diz a demartopatologista.

Saiba mais sobre hanseníase

A hanseníase é transmitida por uma pessoa já doente e sem tratamento que entra em contato com uma saudável. O bacilo de Hansen entra no organismo por meio das vias respiratórias e se desenvolve naquelas que não tem defesa imunológica saudável.

Fique atento, os sintomas mais comuns da Hanseníase são:

  • Manchas esbranquiçadas, avermelhadas ou amarronzadas em qualquer parte do corpo com perda ou alteração de sensibilidade;
  • Área de pele seca e com falta de suor; com queda de pelos, especialmente nas sobrancelhas; com perda ou ausência de sensibilidade;
  • Sensação de formigamento (parestesias) ou diminuição da sensibilidade ao calor, à dor e ao tato. A pessoa se queima ou machuca sem perceber.
  • Dor e sensação de choque, fisgadas e agulhadas ao longo dos nervos dos braços e das pernas, inchaço de mãos e pés.
  • Diminuição da força dos músculos das mãos, pés e face devido à inflamação de nervos, que nesses casos podem estar engrossados e doloridos.
  • Úlceras de pernas e pés.
  • Nódulo (caroços) no corpo, em alguns casos avermelhados e dolorosos.
  • Febre, edemas e dor nas juntas.
  • Entupimento, sangramento, ferida e ressecamento do nariz;
  • Ressecamento nos olhos;
  • Mal estar geral, emagrecimento;
  • Locais com maior predisposição para o surgimento das manchas: mãos, pés, face, costas, nádegas e pernas

Dados da Secretária de Saúde do Paraná



Autor
Equipe SBP
Publicado em
2016/07/19
Compartilhe!
Voltar para o blog

assinar a newsletter