Siga-nos nas redes sociais:

Carta entregue ao ministro da saúde em reunião com a AMB

Ilmo. Sr. Ricardo José Magalhães Barros
DD Ministro da Saúde
Esplanada dos Ministérios Bloco G
Brasília/DF
70058-900

A Patologia Brasileira agradece a oportunidade de ser ouvida pelo Senhor Ministro.
Assim como todo o país e, particularmente a saúde, ela vem há anos sendo esquecida e vilipendiada, vítima de descasos que são em última análise um descaso com os pacientes, cidadãos deste país.

Causa a nós patologistas uma grande amargura, quando fazemos um diagnóstico de câncer em uma biópsia, vermos que o portador deste mal leva meses até conseguir ser adequadamente tratado, com seu tumor em fase mais avançada do que na época do diagnóstico e com seu prognóstico muitas vezes fechado.

Os custos do diagnóstico sobem a cada ano e os valores pagos mal são suficientes para cobri-los. Muitos laboratórios estão deixando de atender ao SUS. Deixam de atender pelo simples fato que estão pagando para trabalhar.
Em termos de custo ao sistema, a patologia representa menos de dois por cento do faturamento, ou seja, muito menos do que outras especialidades médicas e, no entanto é por ela que se inicia o tratamento e a prevenção do câncer.

Laboratórios públicos em muitos estados estão sendo fechados por falta de recursos e outros por serem dados como pouco eficientes. Eficiência esta cobrada, mas sem contrapartida governamental, pois não recebem o mínimo de estrutura, equipamentos e verbas que permitam um diagnóstico acurado, tempestivo e atualizado, para que os pacientes possam ter seus males cuidados.

A patologia brasileira é uma das mais atualizadas do mundo. Seus profissionais são reconhecidos nos grandes centros e aqui mesmo neste país temos centros de excelência que, embora trabalhem nos mais altos níveis, somente o fazem por ter entidades não governamentais que os sustentam complementando os magros recursos do SUS.
Mas esses centros são poucos e o Brasil muito grande. O país necessita de profissionais e laboratórios em todo seu território, patologistas nas pontas do atendimento para que façam o primeiro diagnóstico que vai dirigir o paciente aos hospitais para que possa ser tratado. Entretanto, esses profissionais e laboratórios estão deixando de existir, pois não há como sobreviver. Dessa maneira a população fica desassistida.

Procedimentos cirúrgicos quando conseguem ser realizados na verdade ficam inconclusos, pois as peças cirúrgicas esperam por semanas e por vezes meses sem serem processadas, atrasando o tratamento simplesmente por não haver recursos para realizar o procedimento diagnóstico.

A Patologia Brasileira clama em nome dos milhares de pacientes, cidadãos e eleitores que precisam do diagnóstico anatomopatológico para que seus direitos sejam respeitados e que o ministério tenha especial atenção com essa importante especialidade, atualizando os valores e fornecendo aos laboratórios próprios a estrutura necessária ao exercício profissional e digno que nossa resoluta população faz jus.

Atenciosamente,

Clovis Klock
Sociedade Brasileira de Patologia
Presidente



Autor
Equipe SBP
Publicado em
2016/07/19
Compartilhe!
Voltar para o blog

assinar a newsletter